qua. out 28th, 2020

A Voz da Esquerda Judaica

Mauro Nadvorny & Amigos

Petição para suspender envio de armas isralenses para a Rota

4 min read

Durante patrulhamento, policiais da ROTA encontraram o carro dos criminosos

Uma petição foi apresentada, pelo ativista de Direitos Humanos Eitay Mack e outros, no Tribunal Distrital de Tel Aviv exigindo a suspensão de carregamentos de metralhadoras Negev para unidades policiais que realizam execuções extrajudiciais em favelas de São Paulo, Brasil

(30.8) Uma petição foi apresentada no Tribunal Distrital de Tel Aviv exigindo que o chefe da Divisão de Controle de Exportações de Defesa do Ministério da Defesa interrompa os carregamentos da metralhadoras Negev para unidades policiais que realizam execuções extrajudiciais em favelas de São Paulo, Brasil:

O IWI anunciou no dia 08/12/2020 que a Polícia Militar e a unidade da ROTA em São Paulo começaram a receber carregamentos da metralhadoras Negev 7,62.

A Polícia Militar de São Paulo, especialmente sua unidade ROTA, estão entre as unidades de polícia urbana mais violentas e assassinas do Brasil, com a maioria das vítimas de execuções extrajudiciais sendo pobres, afro-brasileiros ou mestiços, que vivem com mais de dois milhões de pessoas nas fevelas de São Paulo. .

O fato de a Polícia Militar de São Paulo e especialmente a unidade ROTA realizarem execuções extrajudiciais é bem conhecido e documentado em inúmeros relatos de autoridades governamentais no Brasil, nas Nações Unidas, nos Estados Unidos, em organismos internacionais e em investigações da imprensa brasileira e internacional.

A Polícia Militar de São Paulo e a unidade ROTA (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) não são unidades da Polícia Civil como as reconhecidas pelo Estado de Israel. Elas foram instituídas pela ditadura militar do Brasil, como parte da militarização daquele período. Elas são forças militares operando por métodos militares, que originalmente se destinavam não apenas a lidar com o crime comum, mas também com o fenômeno da “subversão”.

Desde o fim da ditadura militar em 1985 até hoje, pelo menos 15.000 pessoas foram mortas por policiais em São Paulo. Segundo relatório oficial da Controladoria da Polícia de São Paulo. Em 2018 policiais foram mortos “em serviço” e “fora de serviço”, dever “851 pessoas e em 2019, 867 pessoas foram mortas, sendo 95% delas mortas pela polícia militar. Em 2018 58 pessoas foram mortas pela unidade ROTA, e em 2019, 104 pessoas foram mortas por ela.

É verdade que o Brasil tem uma das maiores taxas de crimes violentos e homicídios do mundo, e que os pavilhões de São Palo são controlados pelo crime e gangues de drogas, mas em vez de prender suspeitos de crime, a Polícia Militar e especialmente a unidade ROTA executam os suspeitos, passantes e residentes nas prisões.

As execuções em São Paulo são realizadas tanto por policiais em serviço quanto por policiais fora de serviço como parte dos “esquadrões da morte” de policiais que executam assassinatos em troca de pagamento ou para “encerrar contas”. Ou seja, é possível que os policiais das unidades da Polícia Militar e da ROTA também utilizem metralhadoras Negev, nas horas vagas, para eliminar pessoas como uma milícia ou “esquadrão da morte”.

De acordo com os procedimentos e publicações do IDF sobre o uso da metralhadora Negev, e um parecer anexado à petição preparada pelo comandante do batalhão de reserva, Tuli Flint, a “Negev” é uma metralhadora leve automática para assalto e combate a céu aberto, que é projetada para disparar balas não permitindo disparos precisos. Dispara de 600 a 750 balas por minuto – Esta não é uma arma adequada para uma força policial operando em uma área residencial densamente povoada ou favelas em São Paulo, a menos que a intenção seja cometer um massacre.

Nesse contexto, em outubro de 1992, a Polícia Militar e a unidade ROTA, realizaram um massacre no Presídio do Carandiru, em São Paulo, onde dispararam cerca de 5.000 munições reais e mataram 111 presos. Em agosto de 2013, 25 policiais da unidade ROTA foram condenados por sua participação no massacre.

Assim como é inconcebível que policiais no Estado de Israel usem metralhadoras Negev e executem criminosos e civis sem julgamento, também é inconcebível que o Ministério da Defesa e o IWI ajudem no seu uso no Brasil.

Nessas circunstâncias, a petição argumentou que a liderança da API deveria suspender imediatamente a exportação da metralhadoras Negev para a Polícia Militar e para a unidade da ROTA em São Paulo.

A petição foi apresentada junto com a ativista de direitos humanos Aya Gabriel, Nora Bendersky, Dra. Julia Zeitin, Prof. Ruth HaCohen Pinchover, Dra. Shani Pace, Ariel Neizena, ou Ben David, Prof. Orly Binyamin, D. Rabino Hila Dayan, seu irmão Shatz, Hannah Berg, Dr. Yishai Menuchin, Omer Arvili, Rachel Hayut, Dr. Yonatan Nissim Gaz, Efrat Levy, Yael Agmon, Roni Sagoli, Musi Raz, Dr. Hannah Bibliotecária, Edith Breslaur, Noni Tal, Tal Haran, Dra. Zivia Shapira, Shirley Nadav, Dra. Snait Gisis, Naftali Orner, Miako Glico, Dafna Banai, Avshalom Rob, Prof. Gideon Freudenthal, Sigal Kook Avivi, Yehudit Elkana, Guy Botvia, Shoshana London Sapir, Tamar Cohen, Raya Rotem, Dr. Ruhama Merton, Bilha Golan Sonderman, Dr. Gilad Lieberman, Dalia Kerstein, Prof. Nurit Peled Elchanan, Yair Bonzel, Dra. Batina Birmans, Marie Bonzel, Sharon Gamzo, Guy Hirschfeld, Eli Aminov, Daniela Yoel, Dra. Ilana Hamerman Nirad, Daniel Silverman, Naomi Kirshner, Zehava Greenfeld, Ofer Neiman, Alona Cohen, Naftali Sapir, Dr. Anat Matar, Chaya Ofek, Vered Bitan, Itamar Figenbaum, Galia Brand, Shaul Cherikover, Tzila Goldenberg, Haim Schwarzenberg, Avishai Halavi, Irit Halavi, Prof. Veronica Cohen, Dr. Eliot Cohen, Gadi Shen Yitzar, Smadar Ya’aron, Tamar Lehan, Amir Bitan, Oded Efrati, Prof. Ben Zion Munitz, Naomi Schur, Jessica Npomanch, Amnon Lutenberg, Meira Asher e Shahaf Wisbin.

Deixe uma resposta