ter. ago 11th, 2020

A Voz da Esquerda Judaica

Mauro Nadvorny & Amigos

Trabalhadores do Brasil, uni-vos!

4 min read

Muitos continuam falando que o PT deveria fazer sua “mea culpa”, como se os demais tivessem somente anjos em seus quadros. Talvez esperem que o PT diga que seus membros faziam caixa 2 para campanhas políticas, que havia corruptos em seus quadros, diferente dos outros partidos.

Tudo que se diga do PT, não é diferente do que foi, e continua sendo a maneira de se fazer política no Brasil. Antes, durante e depois da ditadura, nada mudou. São os mesmos nomes, as mesmas famílias, os mesmos partidos com nova roupagem. Na política brasileira a corrupção começa antes da eleição com dinheiro sujo de campanha, durante o mandato com as rachadinhas de gabinete e “comissões” por favores prestados e depois do mandato com a cobrança por aqueles serviços prestados.

Poucos estão lá para fazerem o bem maior pelo país e pelo povo. Infelizmente a marca registrada do político brasileiro está associada a corrupção. São quatro anos de mandato para pagar de volta os gastos de campanha e ter algum lucro. Em muitos casos, o salário do político durante todo o seu mandato não cobre sequer os gastos da campanha para sua eleição. Então é preciso um “jeitinho”.

É óbvio que no PT também existiram políticos desta laia. Mas do PT se cobra uma áurea moralista imaculada. São muitas as razões para isso. Vão desde o sonho infantil de que com o PT seria diferente, até o ódio puro e simples a um partido de trabalhadores governando o Brasil.

Eu acredito que o PT errou em muitas coisas, mas seu maior erro foi acreditar que ao vestir terno e gravata seria aceito a mesa da Casa Grande. Quando chegou ao poder, o PT não quis ser diferente, desejou ser igual. Achava que como iguais seriam aceitos na sociedade como um todo.

Este não foi, é claro, o único erro, durante os governos do PT as verbas publicitárias foram distribuías para todos os meios de informação. Não falo só da Globo, mas da Abril com a Veja e de outros meios que difamavam o partido diariamente. Como pode haver tamanha ingenuidade? Achavam realmente que em algum momento a mídia coronelista brasileira iria tratar um bando de esquerdistas que ousavam melhorar a vida de milhões de brasileiros, como iguais? Que iriam reconhecer os avanços sociais e econômicos que seus antecessores nunca conseguiram?

O PT deixou de regular a imprensa e continuamos pagando esta conta. Para quem não sabe, regular a imprensa é fazer com os meios de comunicação não fiquem concentrados nas mãos de poucos. É determinar que quem possua uma TV, não possa ter rádios e jornais, por exemplo. O mesmo com donos de outros meios e também quantitativamente. Uma mesma empresa não pode ser dona de mais que um número de canais de TV e rádio, ou jornais.

O PT também não soube passar a mensagem do que é preciso para se governar no Brasil e implantar um projeto de governo. Não deixou claro que o preço a se pagar é se aliar ao Diabo, aos partidos que dão sustentação em troca de favores. Quem sem sustentação política, nada poderia ter sido feito. Que foi preciso fazê-lo em nome do bem maior.

O partido se cobriu com o véu da vaidade e se permitiu rompantes de arrogância. Esnobou aliados tradicionais para permanecer no poder ao lado dos que supunha serem seus novos amigos. A realidade mostrou que quase todos eles eram somente comparsas em troca de cargos e afetos. As fotos com Paulo Maluf, Sergio Cabral, Os Sarneys etc, estão aí para provar o argumento.

O partido não soube aparelhar o estado, uma regra básica na política. Cargos fundamentais foram trocados por apoios em todos os escalões do governo. A falta de aparelhamento, uma medida imprescindível para a manutenção de um projeto de longo prazo foi desprezada. Assim, todos os fracassos e casos de corrupção foram lançados na conta do PT. Todos os acertos, quando reconhecidos, foram creditados ao conjunto de governos passados que pavimentaram o caminho.

De fato, erros foram cometidos, mas nada se compara aos acertos que projetaram o Brasil na comunidade internacional. Acertos que levaram milhões de brasileiros a saírem do mapa da fome, a terem a oportunidade de estudar, de se inserirem no mercado de trabalho com melhores salários e terem o poder de compra.

Nenhum destes acertos diz respeito a classe de brasileiros que abraçou o fascismo. Para eles pobre continua tendo que saber o seu lugar. O mesmo se aplica a mulheres, negros e demais minorias. Se cada um respeitar o lugar que merece na sociedade que eles concebem, tudo vai ficar bem.

A direita brasileira não suportou os acertos de trabalhadores e apoiou o fascismo. Disso ninguém mais tem dúvidas. Este apoio criou o monstro que hoje habita o Palácio do Planalto e levou o país a um retrocesso de tamanha envergadura, que serão necessários muitos anos para se voltar ao ponto de onde paramos antes do golpe.

O Covid-19 é somente mais um exemplo da forma de relacionamento do fascismo com seu povo. A valorização da vida não entra na conta deles. Nunca se importaram com a educação, com o meio ambiente com a melhora da qualidade de vida, porquê se importariam com uma gripezinha? Esta é a forma fascista de governar, o neoliberalismo e a meritocracia acima de tudo.

Impeachment já!

Deixe uma resposta