ter. jun 2nd, 2020

Mauro Nadvorny & Amigos

A Voz da Esquerda Judaica

Um Judeu na Secom

3 min read

A Secom é a Secretaria Especial de Comunicação Social é o órgão da Presidência do Brasil responsável pela liberação de verbas e gerenciamento de contratos publicitários firmados pelo Governo Federal que tem a frente o ministro Fábio Wajngarten, judeu, segundo ele.

Como forma de mostrar supostas ações do governo federal contra o Corona vírus, a Secom divulgou nas redes sociais que “Parte da imprensa insiste em virar as costas aos fatos, ao Brasil e aos brasileiros. Mas o governo, por determinação de seu chefe, seguirá trabalhando para salvar vidas e preservar o emprego e a dignidade dos brasileiros. O trabalho, a união e a verdade libertarão o Brasil”.

Foi o bastante para que se visse uma associação com a famosa frase do Campo de Concentração de Auschwitz “O Trabalho Liberta”. Logo se pronunciou a IBI, (Instituto Brasil-Israel) que em nota afirmou que “Não é mais necessário insistir no fato de que o Governo Federal utiliza referências do nazismo. Quem tinha dúvidas, já não as têm. Se segue no barco, compactua, pelo menos em parte, com esse ideário. A história cobrará o preço”.

A resposta de Wajngarten veio em seguida: “É impressionante: toda medida do governo é deformada para se encaixar em narrativas. Na campanha, faziam suásticas fakes; agora, se utilizam de analfabetismo funcional para interpretar errado um texto e associar o governo ao nazismo, sendo que eu, chefe da Secom, sou judeu!”

Nem 8, nem 80. É fato de que o presidente cometeu inúmeras gafes em relação ao nazismo e aos judeus, inclusive uma ofensa grave em sua visita ao Museu do Holocausto “Yad Vashem” em Israel, onde afirmou que o nazismo era de esquerda.

Roberto Alvin, o precursor de Regina Duarte, na Secretaria Especial da Cultura, fez uma peça publicitária imitando em tudo um filme de Goebbels, o ministro da propaganda de Hitler. Foi demitido.

Grupos nazistas apoiam abertamente Bolsonaro, mas nunca se viu o presidente negar este apoio, nem mesmo uma palavra contra suas ações.

Existe, portanto, inegáveis ações e manifestações nazistas que se associam a este governo. Algumas delas podem ser atribuídas a pura ignorância e desconhecimento da história, como talvez seja o caso. No entanto, a repetição deles ascende luzes de imensa preocupação, seja por seu número cada vez maior, seja pela negativa em aceitar as evidências.

Wajngarten até pode estar certo em afirmar que não havia nenhuma intenção em usar uma frase sarcástica nazista em sua publicidade, mas erra ao não reconhecer que foi exatamente o que produziu. Neste caso, não se trata de deformar a realidade, trata-se de compreender o efeito causado, que ele, como judeu que diz ser, deveria mais que ninguém, ter percebido.

O que estamos assistindo, com números de infectados e mortes subindo dia a dia, e uma ação abertamente contrária a todas as recomendações da OMS e do que fazem todos os países do mundo, pedindo ao povo que saia para trabalhar, é sim uma ação nazista. ~E como dizer que os brasileiros são uma raça superior, imune ao vírus.

Talvez pelo que a história nos ensinou, nós judeus, somos os primeiros a notar os mínimos sinais da existência de ideários nazifascistas. Nossa sensibilidade em relação a este tema vive a flor da pele. Uma vez, pode ser um equívoco, duas pode ser um deslize, mas depois disso é a confirmação do óbvio, o governo Bolsonaro é um governo fascista em número, gênero e grau.

Enviar as pessoas para trabalhar é o mesmo que as enviar para uma roleta-russa. Todos sabem que em algum momento a bala será disparada, só não se sabe quem irá morrer. As mortes vão se somando e cada uma delas leva a assinatura de Bolsonaro que enquanto ssi passeia de Jet Ski.

Um triste cenário que a propaganda oficial tenta acobertar. Com, ou sem, a famigerada frase, toda publicidade governamental é uma ficção. Felizmente não conseguem acobertar a realidade com todo o horror que está acontecendo, graças a mídia e a nossa resistência.

 

 

Deixe uma resposta