18/04/2021

A Voz da Esquerda Judaica

Mauro Nadvorny & Amigos

Quem quer um amigo assim?

3 min read

A vida nos reserva sempre muitas surpresas. Muitas vêm da política. Quantas vezes nos decepcionamos com determinado político e nos surpreendamos com outros? Recentemente isto que chega a ser irônico, aconteceu no Oriente Médio: depois de rejeitar um dos melhores acordos de paz nunca antes oferecido por Israel, Arafat dando inicio a segunda Intifada, acabou sendo um dos melhores cabos eleitorais de Ariel Sharon.

Mas como poucos aprendem com a experiência dos outros, o presidente Bush acaba de se mostrar o melhor cabo eleitoral de Yasser Arafat quando pede ao povo palestino que o abandone. Seria risível se não fosse trágico, mais esta trapalhada do homem do Texas.

Yasser Arafat, independentemente do que se pense a respeito dele, vem conduzindo a luta de seu povo pela autodeterminação a 35 anos. Foi graças a ele, que o problema palestino permaneceu no centro do conflito árabe-israelense desde a criação de Israel. Tal proposta seria como ter pedido aos sul-africanos que não elegessem Nelson Mandela, ou aos timorenses a Xanana Guzmão.

O conflito entre israelenses e palestinos precisa ser solucionado pelas legítimas lideranças dos dois povos. Israel elegeu a Ariel Sharon, e Yasser Arafat foi eleito pelos palestinos. Neste momento são estes os líderes que devem chegar a um acordo de paz que traga segurança e prosperidade aos dois povos. Portanto, Sr. Bush, se não pode contribuir com nada, por favor não atrapalhe.

A situação no momento é de um círculo vicioso de violência que tem de ser quebrado. Não importa quantas vezes Israel ocupe e reocupe os territórios, tampouco a altura da pretendida cerca. Todos os dias nascem novos homens bombas que irão se explodir em meio a civis na primeira oportunidade que tiverem. E cada novo atentado, reinicia o círculo com novas invasões e novas cercas.

Os palestinos não têm trabalho, não tem o direito de ir e vir em seu território, não possuem nenhuma perspectiva de melhorar suas condições de vida, e o pior de tudo, estão perdendo a esperança. Israel está com sua economia prejudicada, o shekel em constante desvalorização, taxas recordes de desemprego, setor turístico destroçado, milhares de cidadãos emigrando etc. O que mais está faltando para que tenha inicio uma conferência de paz? Quanto tempo será necessário para recuperar os dois países futuramente? Qual será o custo disso? Quem irá pagar esta conta? E as vidas inutilmente perdidas que serão nomes em memoriais deste tempo de horror e tristeza?

Não queremos mais enterrar nossos mortos. Queremos que eles tenham a chance de conhecer uma nova era. Um tempo de paz e reconciliação entre os dois povos. Que façam parte da renascer da vida no Oriente Médio e não mais parte da estatística das mortes.

Ariel Sharon e Yasser Arafat, BASTA!
Paz Agora.

Deixe uma resposta