23/07/2021

A Voz da Esquerda Judaica

Mauro Nadvorny & Amigos

Por quem choras Palestina

4 min read

São pessoas como o colunista Sayd Marcos Tenório que afastam qualquer possibilidade de diálogo entre palestinos e israelenses. Suas teses em artigo publicado no Brasil247, recheadas de pérolas antissemitas como: “A ONU aprovou, inclusive com o voto do Brasil, em 1975, a Resolução nº 3.379, que considerou o sionismo uma forma de racismo, mas, em 1991, ela foi revogada por pressão do lobby judeu”, ou seja, os judeus foram capazes de obrigar o mundo a reconhecer que Sionismo não é Racismo. E segue: “Então, se o sionismo é uma ideologia racista e de direita, pode haver um pensamento de esquerda no seu seio?”, para atacar o Sionismo Socialista.

Todo antissemita vive com uma paranoia conspiracionista. Imaginam que nós sionistas socialistas, sionistas de direita e sionistas de todo tipo, somos aqueles caras mencionados nos Protocolos dos Sábios do Sião. Me fazem lembrar um intelectual que depois de ler “Holocausto, Judeu ou Alemão” de Siegfried Elwanger, me disse que era um absurdo tudo aquilo, mas que alguma coisa de verdadeiro devia ter. O que nos leva a Berenice Bento, notória antissemita que tenta fazer todo um exercício psicofilosófico para negar a existência do sionismo socialista, que é claro, tinha de ser mencionada.

De acordo com Sayd, a tragédia palestina tem só um culpado, os sionistas, e só pode ter uma solução, a destruição do Estado de Israel através das forças de resistência palestina. Forças que ele chama de Partidos Armados, uma nova definição na política para grupos armados que atacam civis. Seria como chamar as milícias do Rio de Janeiro, ou o PCC de Partidos Armados.

Mas tem mais antissemitismo na narrativa: “O sionismo é uma ideologia que se apropriou do judaísmo como forma de dar sustentação às suas teses racistas e supremacistas, quando sabemos que nem todos os judeus são sionistas ou apoiam as atrocidades de Israel“. Como assim? Existe Sionismo fora do judaísmo? Claro que nem todos judeus apoiam as atrocidades de Israel, assim como nem todos os palestinos aprovam as atrocidades que foram cometidas pela OLP no passado, e são cometidas pelo Hamas nos dias de hoje.

Segundo Sayd, “O sionismo se baseia na teoria defendida por Herzl no seu livro O estado judeu, de 1896, da existência de um estado nacional judaico independente e soberano no território onde supostamente teria existido o “Reino de Israel”. Para supostamente, eu imagino que ele intencionalmente tenta apagar a história do povo judeu em Israel, que a Bíblia nos relata histórias da carochinha, que todos os historiadores são comprados pelos judeus para contarem mentiras. De verdade, existe o fato de que nunca na história existiu um Estado Palestino.

Para confirmar de que não podem dialogar com a esquerda sionista ele diz: “Essas forças da “esquerda sionista” são responsáveis pela criação do estado de Israel em 1948 e pelos desdobramentos da Nakba (tragédia), pois foram eles que pressionaram a antiga União Soviética a fornecer armas às milícias paramilitares sionistas, como Haganah, Irgun e Stern, por intermédio da Checoslováquia“. De fato, a criação de Israel se deu através da ONU, assim como do Estado Palestino. Deu-se inicio a um conflito armado e um lado saiu vencedor, o Estado de Israel que tinha na época uma maioria parlamentar de esquerda. Mas dizer que a então União Soviética forneceu armas através da Checoslováquia devido a pressão da esquerda sionista é chamar seus leitores de tolos.

Sayd ataca a direita judaica, a esquerda judaica e os judeus em geral. Para ele não existe outro caminho senão o do enfrentamento armado. Poderia ser o porta voz do Hamas. Parece que a esquerda humanista e progressista não se importa quando se referem a destruição de Israel, muito diferente quando se trata de um General Iraniano.

A pergunta que não quer calar é o que de bom existe em um artigo como este. Que proposta de solução para o conflito ele traz? Como seria uma iniciativa de paz entre os dois lados? Quem se sentaria a mesa de negociações para encontrar uma solução definitiva?

Sayd faz o mesmo jogo da direita israelense quando tenta desumanizar a esquerda sionista. A direita trata todos os palestinos como terroristas, ele trata todos os sionistas como iguais, de direita. É incrível como os extremos opostos se tocam.

Eu não preciso que me digam o que sou, ou como devo me definir. Tenho passado, tenho história e sei diferenciar um parceiro para a paz de um antissemita que se passa por antissionista. Os palestinos não merecem a situação em que se encontram. Talvez quando olharem para si mesmos e se perguntarem: “o que fizemos para nos encontramos assim“, comece haver uma luz no final do túnel. Mas enquanto os Sayds continuarem a colocar a culpa nos sionistas, nada vai mudar.

Não é o sionismo que está destruindo a Palestina, são os radicais e extremistas dos dois lados que não permitem aos dois povos uma conciliação e convivência pacífica com dois Estados lado a lado. Vocês sobrevivem do conflito, se alimentam do ódio e são incapazes de aceitar a paz.

Que tal uma Live ao vivo com debatedores sionistas socialistas e vocês?

Deixe uma resposta