27/01/2021

A Voz da Esquerda Judaica

Mauro Nadvorny & Amigos

Nem todas pessoas se preocupam com a política. Algumas nem se importam com os outros. Aos outros me refiro aqueles além delas próprias. Eu sei, é chato de dizer, mas existem um monte de gente assim.

Entre aquelas que se importam com os outros, e aquelas que compreendem a importância da política, existem os ideológicamente engajados. Pessoas que desejam um mundo melhor. Tudo bem, isso soa como um clichê, se parece com um clichê e portanto é mesmo um clichê. No entanto é aquele tipo de clichê que os que se alinham a esquerda no espectro político compreendem muito bem.

Quando a gente fala de um mundo melhor de se viver, estamos falando de um mundo mais justo, com as mesmas oportunidades para todos, mais humano, que respeita a natureza, os direitos dos animais, que entende os cientistas que falam do aquecimento global, que sabem que a Terra é redonda e principalmente acima de tudo, tem plena consciência de que não existe mamadeira de piroca e nem Kit Gay.

Somos aquele tipo de gente que adora discutir projetos políticos, inclusive projetos diferentes dos nossos. Não temos problema em argumentar e discutir nossos pontos de vista, sempre respeitando o direito de outros discordarem.

O nosso grande problema atualmente é que não temos como contrapor nosso projeto ao outro projeto porque ele não existe. O cara que elegeram presidente não tem projeto nenhum para coisa nenhuma. Não é possível oferecer outra opção, porque a primeira não está acontecendo.

A ação do cara é apenas destruir tudo que foi construído até hoje sem colocar nada no lugar. Não é novidade já que quando estava no exército sua grande ideia foi colocar uma bomba para destruir tudo. Deve ser alguma coisa mal resolvida da infância. Ele devia ser aquele idiota da praia que destruiu nossos castelos de areia.

Existem dois tipos de destruidores, o que destrói por prazer e o que destrói por compulção. Bolsonaro destroi por compulção. O importante é por abaixo sem medir as consequências. Não fosse uns poucos lúcidos que não sei o que estão fazendo neste governo, a destruição já teria atingido níveis muito mais alarmantes. Na verdade eles tentam segurar a onda por um tempo sabendo que não vão ser capazes de fazê-lo para sempre.

Neste quadro, não existe solução senão substituir o presidente. Ele deveria ser declarado incapaz para o cargo. É um elefante numa loja de cristais balançando o rabo e abanando as orelhas. O desastre não é mais uma previsão, é visível, é realidade.

Se o povo não tomar as ruas, o tamanho do buraco vai levar décadas para ser fechado. Só um movimento solidário do campo progressista com aqueles que se arrependeram do voto será capaz de produzir uma mudança de rumo. É o momento de afastar as nossas diferenças, de encontrar o que temos em comum e lutar ombro a ombro pela mudança já.

Preparar a Greve Geral, explicar sua importância em todas as rodas, em todos os lugares é imperativo. A greve será o termômetro da nossa capacidade de aglutinar forças. De unir os movimentos sociais da cidade e do campo, de somar com os estudantes e todos os trabalhadores. Unidos somos fortes.

Nós temos um projeto.

 

 

 

Deixe uma resposta