20/01/2021

A Voz da Esquerda Judaica

Mauro Nadvorny & Amigos

Canta Queiroz, canta

3 min read

Flávio Bolsonaro está em apuros, isso é inegável. Ele sabe que o cerco está se fechando e acha que seus problemas se devem a eleição de seu pai para presidente. Em postagem recente  no Twitter afirmou “ Encaro com tranquilidade os acontecimentos de hoje (se referindo a prisão de Fabrício Queiroz). A verdade prevalecerá! Mais uma peça foi movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro. Em 16 anos como deputado no Rio  nunca houve uma vírgula contra mim. Bastou o Presidente Bolsonaro se eleger para mudar tudo! O jogo é bruto!”

Antes de comentar sobre isso, gostaria de mostrar alguns dados sobre a Alerj. Até janeiro de 2019  o número de cargos vinculados aos gabinetes dos deputados era de 20 vagas que podiam ser desmembradas em até 63 postos de trabalho. Agora o desmembramento poderá chegar a “apenas” 40 vagas.

O fenômeno da “rachadinha” é um velho conhecido da política brasileira. Basicamente consiste na divisão do salário do assessor com o parlamentar que o contratou. Ela é considerada comum em outras casas legislativas, tais como Câmaras de Vereadores, Assembléias Legislativas e até no Congresso Nacional, e resultou em várias denúncias contra parlamentares no Supremo Tribunal Federal (STF) por configurar crime de peculato.

Esses crimes são de difícil apuração, porque geralmente envolvem saques de baixas quantias em dinheiro, com o objetivo de não alertar os órgãos de controle, e pagamentos em dinheiro vivo. Os órgãos de investigação conseguem avançar nas suspeitas quando algum ex-funcionário decide contar o que sabe, o que raramente acontece. Na maioria das vezes o benefício é mútuo.

Na Alerj o salário de um assessor parlamentar parte de uma salário mínimo e com os acréscimos de todos os penduricalhos permitidos legalmente, pode chagar a mais de R$ 20.000,00. Como se pode ver, a “rachadinha” aumenta o rendimento do parlamentar em muito. Normalmente este retorno acontece em dinheiro vivo e paga as contas do parlamentar e de seus familiares. Como as movimentações acontecem com baixos valores, não chamam atenção. Assim, ele foi flagrado fazendo 48 depósitos de R$ 2.000,00 em um Caixa Eletrônico.

Por exemplo, posso citar a Assessora Parlamentar Aparecida Santos Dias Braga que recebe R$ 21.724,50 reais líquidos. A fonte é a Folha de Pagamentos de Abril 2020, disponibilizada no Portal da Transparência.

Com este artifício, Flávio Bolsonaro conviveu por 16 anos na Alerj, tendo como seu principal assessor Fabrício Queiroz, que se encarregava de receber a “rachadinha” dos funcionários e administrar o “fundo de reserva” do patrão.

Fabrício Queiroz pode ser a bola da vez, mas é preciso deixar claro que existem inúmeros casos iguais acontecendo todo final de mês por todo o Brasil. A maioria das “rachadinhas” acontece com pessoas amigas ou conhecidas que recebem este dinheiro como um bônus a mais em suas vidas. Na realidade, sequer batem ponto no gabinete do parlamentar. Não há do que reclamar.

Flávio Bolsonaro vai fazer o possível para atribuir a investigação sobre ele a perseguição jurídica e política que seu pai está sofrendo. O choro é livre. De fato, caso sua família tivesse permanecido na sua insignificância e mediocridade política, nada disso estaria acontecendo. No entanto a ganância falou mais alto, e eles vão pagar caro por isso. Não, ele não está tranquilo e se a verdade vier a tona, vai estar acabado.

Se Queiroz abrir o bico e disser tudo o que sabe, Flávio Bolsonaro pode estar com seus dias contados como Senador, provavelmente abrindo também o caminho para o Impeachment de seu pai. As relações criminosas da família podem vir a tona através de seu mais fiel funcionário.

O jogo é bruto!

 

 

 

Deixe uma resposta